Conheça o iPhone Xr, o novo “smartphone de baixo custo” da Apple

Seguindo basicamente o que vinha sendo vazado na web, a Apple apresentou hoje (12) o novo iPhone Xr. O aparelho é uma versão básica dos iPhones Xs e Xs Max também lançados na tarde desta quarta-feira.

 

A diferença entre esse e os demais dispositivos da empresa para 2018 está essencialmente na tela. Em vez da tecnologia OLED, a Apple usou um painel LCD avançado de 6,1 polegadas para esse dispositivo, chamado de Liquid Retina Display. A resolução é de 1792×828 pixels, o que garante uma densidade de 326 ppp. Com isso, a empresa garantiu ao celular um preço mais acessível.

 

Fora isso, as bordas desse modelo foram feitas em alumínio aeroespacial série 7.000 em vez do aço inoxidável dos dispositivos mais caros, o que lhe garante menos resistência a impactos. Ainda assim, o Xr vem com certificação IP67 de resistencia a água e é compatível com carregamento wireless no padrão Qi. São seis acabamentos disponíveis, incluindo as cores branco, preto, coral, azul, amarelo e vermelho.

 

O design é essencialmente o mesmo, mas é possível notar que as bordas em volta da tela de 6,1’’ são consideravelmente maiores do que aquelas encontradas nos iPhones Xs e Xs Max. Isso tem a ver com a tecnologia do display, que requer mais espaço para ser posicionado no aparelho e não pode ser dobrado para trás. Por conta disso, o novo iPhone Xr será consideravelmente mais barato, mas ele só chegará o mercado algumas semanas depois.

 

Poder do hardware

O processador do iPhone Xr é o mesmo dos irmãos mais caros, o A12 Bionic, que foi produzido com a tecnologia de 7 nanômetros e conta com seis núcleos de processamento no total, sendo dois focados em desempenho, com 15% mais poder e 40% menos consumo energético que a geração anterior, e quatro voltados para desempenho, que gastam 50% menos energia que os da CPU dos iPhones do ano passado.

 

O componente tem também uma GPU com quatro núcleos para processamento gráfico e um motor neural focado em IA e machine learning. Com tudo isso, os novos aparelhos da Maçã conseguem executar 5 trilhões de operações por segundo, abrem aplicativos em até 30% menos tempo e podem aprender cada vez mais sobre suas preferências e traços pessoais ao usar recursos do celular.

 

Com relação ao armazenamento, o Xr chega com três configurações possíveis, incluindo 64, 128 ou 256 GB de espaço interno. Como habitual, a Apple não incluiu a possibilidade de utilização de cartões microSD para oferecer mais folga para que os usuários guardem suas fotos, vídeos e arquivos em geral. Como sempre, a Maçã não divulgou números específicos para a capacidade da bateria do aparelho, mas afirmou que ele conta com 1,5 hora a mais de vida útil por carga em comparação ao iPhone 8 Plus – que tem a maior capacidade de carga entre os celulares de 2017 da empresa.

 

Assim como seus irmãos mais caros, o iPhone Xr vira com espaço para um cartão nano SIM e com um eSIM, que funciona como chip extra de operadora para carregar um segundo número. Em alguns mercados, como a China, o aparelho pode trocar a solução eletrônica por um espaço adicional para um segundo cartão nano SIM, mas a Apple não especificou que países terão acesso a cada opção.

 

Câmeras de respeito

Diferentemente dos iPhones Xs e Xs Max, o Xr vem com apenas um sensor de 12 Mp na traseira, que tem estabilização ótica e vem acompanhado por uma lente de ângulo aberto com abertura de f/1.8 e um flash True Tone melhorado. O sensor tem pixels de 1,4 micrômetros, tem também a tecnologia de Focus Pixels para acelerar e melhorar o foco das imagens e consegue gravar vídeos em 4K a 60 fps.

 

Com a função HDR Inteligente, a câmera captura quatro imagens simultaneamente, ao mesmo tempo em que coleta mais quatro interquadros com níveis diferentes de exposição. A câmera simultaneamente registra a mesma cena em longa exposição para registrar melhor as sombras. Por fim, tudo isso é combinado em apenas uma foto para conseguir produzir o melhor resultado possível. Segundo a Apple, esse processo completo é feito instantaneamente, sem qualquer atraso.

 

O sensor frontal do Xr é o mesmo TrueDepht incluso nos irmãos mais caros, com 7 MP e lente com abertura de f/2.2. Os vídeos frontais podem ser feitos em até 1080p a 60 fps. Ele é compatível com o Face ID e com as mesmas funções do modo retrato que estão presentes nos iPhone Xs e XR, permitindo alterar a profundidade de campo das imagens mesmo depois que as fotografias já tenham sido tiradas – o que se soma aos recursos de iluminação e desfoque que já existiam nos smartphones de 2017 da Apple.

 

Quanto e quando

A pré-venda internacional do iPhone Xr começa a partir do dia 19 de outubro, enquanto o envio dos aparelhos está marcado para início em 26 de outubro. O valor de lançamento anunciado pela Apple é US$ 749 (cerca de R$ 3.091 em conversão direta pela cotação do dia 12 de setembro, sem considerar impostos de importação) pelo modelo de com 64 GB de armazenamento, com as versões de 128 GB e 256 GB saindo por respectivamente US$ 799 e US$ 899 (R$ 3.311 e R$ 3.729, também em conversão direta sem taxas). Vale ressaltar aínda que esses valores em dólares não incluem impostos dos EUA, que são obrigatórios e aumentam consideravelmente o valor final dos produtos.

 

Os preços e datas para a chegada do aparelho ao Brasil ainda não foram revelados pela empresa.

 

Fonte: TecMundo